Grupo de Trabalho em Midias Digitais e Artes – GTMDA 2009-2010

www.lavid.ufpb.br/gtmda

O GTMDA recebeu suporte da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa

GTMDA – Fase I, 2009

O foco principal do GTMDA foi oferecer formas mais avançadas para Interação Humano-Computador, as quais permitam o entrelaçamento de agentes humanos e sintéticos em espaços midiáticos compartilhados e distribuídos, em tempo real, através de redes de computadores de alta velocidade e com grande volume de informação. Essa convergência de Arte e Tecnologia é uma área que emerge da tensão criada pela confluência entre a Arte e as novas mídias digitais, investigando como acontece essa nova forma de pensar e fazer Arte com suporte tecnológico.

Essa iniciativa surgiu pelo desafio encontrado no espetáculo de dança telemática VERSUS criado em 2005. A partir dos conceitos e configuração estética utilizadas na obra, os parceiros do Laboratório de Vídeo Digital (UFPB), coordenados pelo Dr. Guido Lemos, resolveram desenvolver uma ferramenta que desse conta das necessidades impostas pela minha pesquisa artística nesse campo. Desta forma, surgiu ARTHRON que, justamente pelas características da minha pesquisa utilizada nesse projeto tecnológico, a ferramenta computacional foi construída com foco no gerenciamento da imagem de alta resolução pelas redes avançadas. Esse fato tornou Arthron único no gênero, uma vez que as demais aplicações para streaming estão mais interessadas no tempo de envio do fluxo, ou seja, na tentativa de eliminar a latência, sem haver uma preocupação na forma como a imagem é gerenciada.

No caso da Arthron, aspectos como a pré-configuração da cenas no que diz respeito a imagens que devem ser transmitidas a cada momento foi um dos mecanismos que facilitou a operação do fluxo de informação nos espetáculos. A ferramenta funciona portanto como uma mesa de corte de edição, permitindo que encoders (imagens que são captadas) sejam transmitidas para quantos decoders (local ou são projetadas ou exibidas as imagens) forem necessários e em qualquer ordem.

A Arthron vem sendo utilizada desde 2009 em praticamento todos os projetos que tenho realizado em telemática.

A obra artística de referência do GTMDA foi o espetáculo VERSUS (2005) e a obra resultante desse período de desenvolvimento da pesquisa é o espetáculo “e_Pormundos Afeto” (2009,2010,2011) realizado em colaboração com a Fundação i2Cat e o grupo Kònic Thtr, ambos da Catalunia, Espanha.

GTMDA – Fase II, 2010

O serviço proposto para RNP através do GTMDA Fase II inclui o oferecimento de um gerenciador de fluxos de vídeo em transmissões pré-gravadas ou ao vivo de forma que o operador do serviço possa manipular e programar a exibição desses fluxos de forma facilitada, visual e remota.

A ferramenta computacional Arthron tem por principal funcionalidade oferecer ao usuário uma interface simples para manipulação de diferentes fontes/fluxos de mídia simultâneos. Dessa forma, o usuário pode, remotamente, adicionar, remover, configurar o formato de apresentação e programar a exibição no tempo (quando apresentar?) e no espaço (onde apresentar?) dos fluxos de mídia em um evento.

Refinamento do protótipo

Durante a realização do espetáculo e-Pormundos Afeto o grupo GTMDA teve a oportunidade de validar a proposta atual como também pensar em novas oportunidades para a Arthron.

As principais funcionalidades a serem agregadas a Arthron no GTMDA Fase II são:

11• Instalador da ferramenta – criação de um pacote de instalação que contenha todos os requisitos necessários para execução da ferramenta.

•Atualização – o software irá informar ao usuário sobre novas versões disponíveis para download dos módulos encoder, decoder, proxy e manager. Por se tratar de um sistema com componentes distribuídos, os módulos irão avisar ao usuário caso haja alguma incompatibilidade de versões entre os módulos em execução.

•Automatização da troca de fluxos – hoje a ferramenta possui a troca de fluxos realizada pelo usuário manualmente e pela programação por tempo. Detectamos a necessidade da criação de um arquivo de configuração de trocas de fluxos automático, ou seja, pré- configurado pelo usuário e executado pelo sistema e outro automatizado, onde o usuário programaria um sequência e apenas apertaria uma tecla para próxima troca de vídeo e assim sucessivamente.

•Manipulação de áudio – criação de um novo módulo para manipulação de áudio, inserção de efeitos de áudio, redirecionamento de uma fonte de áudio para um decoder específico, ou seja, separar áudio e vídeo e determinar destinos diferentes para os mesmos.

•Efeitos no vídeo – inserção de legendas, logomarcas e efeitos visuais especiais, tais como light paint, etc.

• Publicação na Web – hoje a ferramenta gera uma URL que pode ser incorporada manualmente ao sitio Web do qual se deseja transmitir o fluxo. Como uma funcionalidade adicional, propomos a criação automática de uma pagina HTML padrão para publicação na Web.

•Mapa de localização – desenvolvimento de uma interface visual para o monitoramento de todos os módulos (encoders, decoders, proxies, manager) ativos na rede, assim, seria uma informa de visualizar dentro da ferramenta qual seria um manager mais apropriado para estabelecimento de conexão.

Written by

No Comments Yet.

Leave a reply